Category Archives: História

Sono da Alma

Tradução da pergunta “Quando uma pessoa morre, para onde vai a sua alma ou espírito antes da Segunda Volta?” do livro Now, That’s a Good Question! Copyright © 1996 por R.C. Sproul

“Através da sua história a Igreja debateu-se com o conceito do chamado “estado intermédio” – ou seja, a nossa posição desde o momento em que morremos até ao momento em que Cristo consumará o seu reino e completará as promessas que afirmamos no Credo Apostólico[1]. Acreditamos na ressurreição do corpo. Acreditamos que haverá um tempo em que Deus reunirá a nossa alma e o nosso corpo, e que teremos um corpo glorificado assim como o de Cristo quando saiu do sepulcro como o “primogénito de entre os mortos”. Nesse entretanto, o que acontece?

A posição mais comum tem sido a de que, na morte, a alma vai imediatamente à presença de Deus e há uma continuidade na existência pessoal. Não existe uma interrupção de vida no final desta vida, mas continuamos vivos através das nossas almas pessoais após a morte.

Há quem tenha sido influenciado por uma visão cúltica chamada Psychopannychia[2] (em Português: Psicopaniquismo), mais conhecida como sono da alma. A ideia é que no momento da morte a nossa alma entra num estado de animação suspensa. Ela permanece num sono, em estado inconsciente, até ser despertada no momento da grande ressurreição. A alma ainda está viva, mas está inconsciente, de modo que não há percepção da passagem do tempo. Eu julgo que esta conclusão é retirada de forma inapropriada da maneira eufemística como no Novo Testamento se fala das pessoas que morreram como estando adormecidas. A expressão judaica comum de as pessoas estarem “adormecidas” significa que elas estão maravilhadas com a pacífica tranquilidade daqueles que atravessaram as lutas deste mundo e se encontram na presença de Deus.

Mas o que as Escrituras no geral nos ensinam, mesmo no Antigo Testamento onde o seio de Abraão era visto como o lugar da vida após a morte, é que existe uma persistente noção de continuidade. Paulo explica-o desta forma: Viver nesta vida é bom; o mais grandioso que pode vir a acontecer é participar na ressurreição final. Mas o estado intermédio é ainda melhor. Paulo disse que estava dividido entre os dois.[3]

Por um lado, o seu desejo era partir e estar com Cristo, que é muito melhor, e por outro, ele tinha um desejo de permanecer vivo e continuar o seu ministério nesta terra. Mas a opinião do apóstolo, de que a passagem pela cortina da morte para esse estado intermédio ser muito melhor do que este estado, dá-nos uma pista, juntamente com muitas outras passagens bíblicas. Jesus disse ao ladrão na cruz, “Em verdade te digo que estarás comigo, hoje, no paraíso” (Lucas 23:43). A imagem do Rico e de Lázaro no Novo Testamento (Lucas 16:19-31) indica-me que existe uma continuidade de vida e de consciência nesse estado intermédio.”

Notas
[1] – “Creio em Deus Pai, Todo-poderoso, Criador do Céu e da terra.
Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, o qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; subiu ao Céu; está sentado à direita de Deus Pai Todo-poderoso, donde há de vir para julgar os vivos e os mortos.
Creio no Espírito Santo; na Santa Igreja Universal; na comunhão dos santos; na remissão dos pecados; na ressurreição do corpo; na vida eterna. Amém”

[2] – João Calvino escreve em 1534 este tratado para refutar a errada posição teológica do “sono da alma”, propagada à época pelos Anabaptistas e por outros grupos Protestantes radicais.

[3] – “De facto, para mim o viver é Cristo e o morrer é ganho. Mas se o continuar a viver é útil para o meu trabalho, então não sei o que hei de escolher. Estou pressionado de ambos os lados: tenho o desejo de partir e de estar com Cristo, o que seria incomparavelmente melhor; mas, por vossa causa, é mais necessário continuar a viver.” Efésios 1:21-24

Facebooktwittermail

Há muitas interpretações do que a Bíblia diz, como sei qual delas é a correcta?

Por RC Sproul em “Now, That´s a Good Question!“, pág. 36 

“Este é um problema que nos preocupa a todos. Existem algumas considerações teóricas  das quais poderíamos falar, mas eu prefiro antes perder algum tempo nas práticas.

A Igreja Católica Romana acredita que uma das funções da igreja é a de ser a intérprete autorizada das escrituras. Eles acreditam que não só temos uma Bíblia infalível, como temos também uma interpretação infalível dessa Bíblia. Isto de certa forma atenua o problema, mas não o resolve de forma completa.

Read more

Facebooktwittermail

Quem Pode Prever o Futuro Detalhadamente?

Já parou para pensar porque motivo é que a Bíblia está carregada de profecias -umas já cumpridas, outras por cumprir- e esse facto aparentemente não é suficiente para, pelo menos, seduzir as pessoas a olhar para ela como se da verdadeira palavra de Deus se tratasse?

Você que entretém a ideia na sua mente que a Bíblia é um conjunto de mitologias e lendas, responda-me: Quem poderá ter sido o autor de dezenas e dezenas de profecias que se escreveram centenas de anos antes de se tornarem realidade?

Steven Lawson com a palavra:

O crédito do vídeo é do canal YouTube Editora Fiel, cuja visualização dos restantes vídeos eu recomendo vivamente.Facebooktwittermail

A Ilusão do Ateísmo

Nestes últimos dias tenho tido uma sempre bem-vinda oportunidade de trocar algumas palavras com um ex-membro da Igreja que frequento. Hoje em dia, e de há uns anos para cá, ele identifica-se como ateu. Apesar de trágico, o atual estado espiritual desta pessoa no que diz respeito à sua “fé” não é surpresa nenhuma.

Um dos motivos pelos quais eu invisto tempo a escrever neste sítio é precisamente o de capacitar os nossos jovens Cristãos -não só os jovens, mas principalmente estes- a estarem sempre prontos a defender a sua fé e a enfrentar de forma eficaz os ferozes ataques que a cosmovisão Cristã sofre por parte do mundo secular e dos seus intervenientes mais ativos.

classroom

Sem a devida preparação, é aqui que o seu filho passará a acreditar na ilusão do Ateísmo. Clique na imagem para ver um estudo recente sobre o abandono da fé por parte de jovens que iniciam a sua vida académica.

O risco é simples: Deixar os nossos filhos sair de casa aos 18 anos como Cristãos convictos e participantes connosco do corpo de Cristo nos eventos dentro e fora da Igreja, e recebê-los 3, 4 ou 5 anos mais tarde como inimigos de Deus declarados.

As faculdades são hoje em dia um lugar onde os nossos filhos são ensinados que Deus não existe e que o Humanismo e outras correntes anti-religiosas são o mais perfeito e capaz sistema de vivência humana. Mentiras, mentiras, mentiras.

Mas por um momento coloquem-se na pele de um jovem caloiro acabado de chegar à faculdade: O seu Professor de Biologia garante que a Teoria da Evolução é um facto científico, o de Filosofia afirma que Deus, a existir, é um ser atroz e vingativo e nas aulas de História os livros de Dan Brown são usados como exemplo de boa Historiografia. Podemos culpar alguém que não nós mesmos (os Cristãos) pelo mau trabalho feito ao longo dos anos, pela forma despreparada como entregamos os nossos jovens à sociedade no arranque das suas carreiras estudantis, quando estes colocam um pé fora da redoma familiar Cristã?
Não, não podemos. A culpa é só nossa.

Um ateu não é mais do que o produto de vários fatores conjugados, a saber:

  • Exposição a maus e tendenciosos estudos académicos
  • A natural inclinação do Homem para viver no pecado e assim procurar negar a existência de um Deus soberano (e os polos/campus Universitários são um forte convite a viver sem regras ou controlo)
  • Pressão dos pares, que como eles, também sofreram dos dois factores acima mencionados

Este recente amigo ateu com quem tenho falado confessou que se desviou do Cristianismo precisamente quando entrou na faculdade e teve contacto direto com o mundo secular em todo o seu esplendor. Dúvida aqui, artigo “científico” ali, e este até então Cristão saiu do edifício espiritual do Cristianismo onde habitava para, segundo as suas palavras, “nunca mais voltar”.

alarm-clockImagine comigo este cenário: Alguém debruçado em cima de uma cama, com uma almofada nas mãos a tentar cobrir um despertador para dessa forma abafar o som do seu alarme que toca de forma estridente, ao mesmo tempo que grita para alguém ao seu lado “Alarme?… na.., não há nenhum alarme a tocar neste momento!”

Esta é a perfeita ilustração da vida de um ateu.

Nos dias de hoje, em que abrindo uma página de Internet e acedendo a um qualquer motor de pesquisa ao estilo “Google” temos acesso a uma vastidão de textos, opiniões, artigos e coisas tais, um ateu tem mais do que ocasião e oportunidade para sustentar a sua cosmovisão e achar que está do lado correto da verdade.

Repare, eu não estou a afirmar que o ateu é um ser totalmente ilógico: mas afirmo-o se ele analisar TODAS as evidências que os muitos anos de bons estudos das mais variadas áreas nos trazem, e ainda assim, escolher o ateísmo como a melhor explicação para o “tudo”.
Isso sim para mim é o pináculo da ilusão auto-imposta.

O leitor procura uma “desculpa” para ser ateu? Fazemos assim, não perca mais tempo então, eu digo-lhe o que fazer: vá ler os livros de Sam Harris, ou de Richard Dawkins, Christopher Hitchens, Daniel Dennet, David Silverman, Lawrence Krauss e tantos outros como eles. Agora aproveito e digo-lhe já de seguida que se quiser ser feliz na ignorância de não conhecer mais nada para lá das ideias desses autores, não leia um único livro mais. Nenhum, não leia absolutamente mais nada!

Não leia outros ateus um pouco mais honestos -e credenciados, mas de quem, pasme-se, nunca ouvirá falar nesse sub-mundo ateu- que os que citei acima que seguem as evidências para onde elas os levam e depois de anos e anos de observação, estudos e pausada análise e ponderação acabam por escrever livros com os títulos;

AFlew_DeusExiste“Deus Existe” como foi o caso do mais proeminente ateu do século passado, Antony Flew, que após 50 anos a defender a causa ateísta reverteu a sua posição para o agnosticismo, reconhecendo assim que os avanços da Ciência não lhe deixaram qualquer alternativa que não fosse a de reconhecer a existência de um Deus criador,

ou mesmo,

mindandcosmoscoverMente e Cosmos: Porque é que a concepção materialista neodarwinista da natureza é quase certamente falsa” do reputado filósofo ateu Thomas Nagel, onde ele afirma que concepções estritamente materialistas -ou seja, sem uma causa transcendente, sem “Deus”- para a origem do Universo e da Vida são “quase certamente falsas”.

Os defensores da Teoria da Evolução têm uma particular aversão a este homem, da mesma forma que nós teríamos de alguém que nos carregasse com um dedo no nosso joelho recentemente esfolado após uma queda, e ambos pelo mesmo motivo: Tocar numa ferida aberta causa desconforto.

Não leia também sobre os trabalhos/artigos e publicações daquele que é considerado um dos maiores académicos vivos do Novo Testamento, o agnóstico Bart Ehrman (por quem alias tenho, confesso, uma saudável antipatia) que nos faz saber entre outras coisas que (traduzido daqui):

  • Jesus foi uma pessoa verdadeira da história, um Judeu da Galileia que pregou sobre o Reino de Deus. Ehrman escreveu um livro inteiro a defender este facto
  • Os Evangelhos canónicos são os mais jovens, e, para todos os efeitos, as únicas fontes válidas de informação detalhada sobre o Jesus histórico. Os evangelhos “Gnósticos” e os outros escritos apócrifos datam de muito mais tarde e não podem ser considerados fontes com significado válido para a informação histórica sobre Jesus.
  • Jesus pensou que era, ou pelo menos viria a ser, o Messias
  • Jesus foi crucificado às ordens de Póncio Pilatos
  • Jesus, de facto, morreu na cruz – (Muçulmanos, tomem nota)
  • Alguns dos seguidores de Jesus acreditavam sinceramente que o viram vivo após a sua morte

Só até aqui, já conseguimos refutar 90% dos disparates que habitualmente ouvimos por parte de cépticos sobre Jesus. E ainda faltam alguns pontos.

  • A crença que Jesus foi ressurrecto dentre os mortos convenceu os seus discípulos de uma forma praticamente imediata que ele era uma figura divina, exaltado à direita de Deus. Os Cristãos iniciais fizeram dessa forma algumas afirmações estrondosas sobre Jesus
  • A crença de que Jesus era uma figura divina que existiu antes da sua vida humana foi aceite pelo menos por alguns Cristãos nos primeiros vinte anos após a sua morte, inclusive antes mesmo das primeiras epístolas de Paulo. (Digam adeus ao disparate de que Paulo mudou radicalmente o Cristianismo, do código moral Judeu para um culto salvador Helénico)
  • Filipenses 2:6-11 ensina que Jesus Cristo era uma figura divina que preexistia ao seu ser humano; Ehrman rejeita a interpretação “Adãmica” dessa passagem que tenta contornar a preexistência de Cristo.
  • Paulo chama Jesus de “Deus” em Romanos 9:5!
  • João ensina de forma clara que Jesus existiu antes da Criação de alguma forma distinto de Deus o Pai, sendo ao mesmo tempo “Deus” e igual a Deus. (Testemunhas de Jeová, tomem nota.) Mais, esta ideia não originou em João porque o Prólogo Joanino deriva de uma fonte pré-Joanina.

Devo relembrar o que escrevi acima? Bart Ehrman é um académico do Novo Testamento, considerado com um dos mais conceituados a nível mundial. Ele é também agnóstico, ou seja, ele não acredita que Jesus é Deus em carne. Aliás, ele crê em Deus mas não o associa a nenhuma religião existente. Ele crê na ausência de um conhecimento particular de Deus por forma a honrá-lo como tal, e consegue ao mesmo tempo validar os alicerces fundamentais do Cristianismo através dos seus estudos e das conclusões que deles retira!

Está a perceber onde quero chegar? A isto chama-se honestidade intelectual. Investigar algo e apresentar as suas correctas conclusões, mesmo que depois se opte por não colocar nelas a nossa fé.

Se só quiser saber sobre o azul, leia só sobre o azul. Mas, se o seu interesse é saber sobre todo o espectro de cores que existe na luz visível, então leia também sobre as outras cores para assim poder fazer uma escolha coerente, fundamentada na razão.

Clique na imagem para ver um debate em Inglês entre Wallace (à direita) e Ehrman sobre as escrituras do Novo Testamento

Por forma a ilustrar um pouco melhor o meu anterior exemplo do despertador, leia com atenção o seguinte texto de um artigo que aborda a análise que Daniel Wallace fez a um recente livro de Bart Ehrman, onde este último, por continuamente negar as evidências históricas em favor do Cristianismo, é chamado por Wallace de “céptico radical”.

Por esta altura é importante referir para quem não está familiarizado, que Wallace e Ehrman fazem parte de um grupo restrito de uns 5 académicos vivos do Criticismo Textual do Novo Testamento de reputação mundial. Não há atualmente mais do que uma mão cheia de pessoas que saiba tanto sobre este assunto como eles.

[…]Wallace passou a ideia que Ehrman é um céptico radical. Essa imagem é ajustada à realidade? Uma pessoa da audiência perguntou a Ehrman o que seria necessário para ele ter a certeza de que nós possuíamos os escritos originais de, digamos, o Evangelho de Marcos. Ele disse que se tivéssemos dez cópias de primeira geração, escritos com um intervalo de uma semana ou algo do género do original, com “0.001% de desvio” entre eles, então ele teria uma relativa certeza de estarmos na posse do Evangelho de Marcos intacto. Repare que essas exigências não são feitas para qualquer outra literatura antiga e que o Novo Testamento é tão rico em cópias que os seus estudiosos podem obter uma boa ideia da sua redacção original. A resposta de Ehrman a esta questão confirmou que Wallace o descreveu de forma correcta.

Bart Ehrman é a prova cabal de que o conhecimento factual do tema A não torna necessário uma crença em A. Ele conhece melhor do que ninguém a validação histórica dos documentos que compõem o Novo Testamento e mesmo assim recusa-se a crer num Jesus Salvador. Aqui pode ler outro exemplo do que me refiro. Todos os que se recusam a acreditar estão no mesmo barco, o barco da contínua resistência à verdade, porque possuem um coração de pedra que se opõe à realidade chamada Deus.

Meditem por uns momentos no significado deste texto, escrito por Paulo em Romanos 1:18-20:

Portanto, a ira de Deus é revelada do céu contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça,
pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou.
Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis.

Estas palavras com quase 2 mil anos de vida garantem-me que todo este movimento neo-ateu bem se podia chamar paleo-ateu, porque de novo nada tem. Homens que suprimem a verdade de Deus, porque amam as injustiças que cometem em vida e não suportam a ideia de um ser Soberano a quem hão-de prestar contas.

Para terminar um já longo texto, um desabafo. Um familiar perguntou-me recentemente, após ver alguns artigos feitos por mim aqui e no meu anterior blog, se eu devia perder tempo com isto… se este tipo de “filosofias” e questões eram boas para a minha alma.
Depois de falar com dezenas (centenas?) de pessoas que se intitulam ateus, eu posso asegurar com toda a força do meu ser: Não há nada de mais útil e mais premente no campo do Cristianismo que se pratica neste mundo virtual chamado Internet, do que o refutar mentiras que levam à perdição das almas que se deixam levar pelo conforto que o mundo de (falsas) convicções do ateísmo lhes traz.

A pergunta que lhe faço no fim deste texto é: E você, está preparado para, revestido de amor Cristão, falar com ateus e agnósticos e ajudá-los a chegar à fé no Jesus Histórico, Senhor e Salvador das almas de todos aqueles que n´Ele crerem?

Facebooktwittermail

Porquê as Escrituras? – Uma Defesa do Novo Testamento

Devemos confiar nos manuscritos dos quais recolhemos os relatos que hoje compõem o Novo Testamento? São esses relatos verdadeiros? São coerentes? O que dizem os autores da época sobre os eventos descritos? E a arqueologia?

Veja porque motivos podemos ter total confiança nos eventos descritos no Novo Testamento, na sexta apresentação da série “Porquê?”

 Facebooktwittermail

Evidências Históricas da Bíblia

Para aqueles que ainda têm algumas dúvidas sobre se as descobertas da arqueologia que se fizeram até ao dia de hoje validam ou refutam os relatos bíblicos, deixo o convite para verem este recente episódio do programa Evidências da editora Novo Tempo, apresentado pelo arqueólogo Rodrigo Silva, já conhecido dos amigos leitores através de duas mensagens aqui anteriormente partilhadas. Esta e esta.

Lembrem-se, a fé que temos na obra já completa por Jesus é uma fé racional, validada pelas descobertas científicas e, neste caso em particular, pelo que a História nos conta do que aconteceu no passado. Quem valoriza o uso da razão, deve equacionar a mensagem do Evangelho.Facebooktwittermail

A Diferença Entre Acreditar nos Evangelhos e Confiar no Evangelho

Traduzido do Cold Case Christianity, de J. Warner Wallace:

Eu inclinei-me para ela e disse “Acho que pode ser verdade”. “O que é que pode ser verdade?”, perguntou a Susie. “O Cristianismo”, respondi. “Quanto mais olho para os Evangelhos, mais me parecem ser testemunhos oculares reais”.JWarnerWallace

Passei meses a examinar as afirmações dos Evangelhos, a avaliá-los utilizando o modelo que tipicamente aplico às testemunhas oculares durante as minhas investigações criminais. No fim da minha análise, estava confiante na sua fiabilidade. Eu acreditei que os Evangelhos me estavam a contar a verdade sobre Jesus. Mas eu ainda não era um Cristão. Eu tinha aquilo a que me refiro muitas vezes por “acredito que”. Examinei o que os Evangelhos tinham a dizer sobre Jesus, e depois de os testar rigorosamente fiquei com confiança na sua precisão, que a idade dos documentos era próxima aos factos ocorridos, que a sua transmissão foi feita de forma confiável e na não-existência de um de relato tendencioso.

Mas eu ainda tinha uma questão profundamente importante por responder: “O que significa a cruz no meio disto? Por que é que Jesus teve que morrer assim?” A minha esposa, Susie, tinha sido criada como católica cultural [ndt: alguém que diz ter uma crença mas que se aplica de forma meramente social, na linguagem, nos hábitos, nos costumes, na prática de ir à Igreja, etc, sem que isso represente um novo nascimento em Cristo], e embora ela estivesse familiarizada com a linguagem e as doutrinas do catolicismo, a sua resposta foi simplesmente: “Eu realmente não sei”. Depois de meses de investigação, eu acreditava que os Evangelhos me falavam sobre Jesus, mas eu ainda não estava pronto para aceitar o Evangelho da Salvação.

Ontem, a CBN [ndt: Rede de Televisão e Internet Cristã] noticiou a história da minha viagem de “acredito que” para “acredito em”. É realmente a primeira vez que eu conto esta história de forma completa, e espero que ela o(a) ajude a ver o papel que as evidências podem desempenhar, movendo-nos da concordância intelectual à submissão voluntária.

Para mim, a transição de “acredito que” para “acredito em” pode ser resumida de forma simples. A minha investigação a Jesus trouxe-me a um lugar de certeza e confiança. O que eu li sobre Jesus nos Evangelhos levou-me ao “acredito que”. Mas o que eu li sobre mim nos Evangelhos levou-me ao “acredito em”. Durante meses foquei-me em testar a fiabilidade dos Evangelhos sem realmente abraçar os ensinamentos de Jesus relacionados com a minha própria condição de Ser Humano. Ainda me lembro onde eu estava quando comecei a ler esses relatos através de uma nova perspectiva, desta vez olhando para o que eles disseram sobre a minha própria natureza humana. Foi convincente.

Eu nunca fui alguém que se considerasse como uma pessoa má. Na verdade, o meu papel como agente de polícia só amplificou o meu orgulho e sentimento próprio de “bondade”. Mandei bandidos para a cadeia. Eu pensava que entendia a diferença entre o certo e o errado, o bem e o mal. Eu estava de um lado das barras, as pessoas más estavam do outro. Mas o Novo Testamento corroeu a minha confiança na minha própria justiça. Quando eu me vi nas páginas das Escrituras, eu tive de admitir a sua exatidão. Elas descreviam-me na perfeição. Quanto mais eu as lia, mais reconhecia a minha necessidade de um Salvador. De repente, o Evangelho fazia sentido.

Toda a cosmovisão [ndt: a forma como vemos e interpretamos o mundo] faz e responde a três perguntas: Como chegamos até aqui, porque motivo está tudo tão estragado, e como o podemos corrigir? Quando entendi a resposta para a segunda pergunta, fiquei pronto para abraçar a resposta para a terceira. O nosso problema é a rebelião, o mesmo tipo de rebelião que eu tinha vindo a demonstrar de forma tão vívida durante 35 anos como um não-crente. Como o podemos corrigir? O Evangelho. Quando eu entrei pela primeira vez numa igreja evangélica e ouvi o pastor a descrever Jesus, eu não estava pronto para aceitar a mensagem da Salvação. Eu tinha que começar por analisar os relatos das testemunhas do Evangelho.

Esta investigação aos Evangelhos levou-me a um estado de preparação. Eu estava preparado, como resultado da minha investigação, para ouvir o que Jesus tinha a dizer sobre mim. Não haja equívoco sobre isto, a minha anterior ideia de “acredito que” não era uma fé que salva. Mas o atual “acredito em” não teria sido tão robusto se não fosse a confiança nas evidências que recolhi na minha investigação inicial. O “acredito que”, quando fundamentado com evidências necessárias para o “acredito em” torna-se muito mais apto para um envolvimento confiante e vigoroso no mundo. Este é um aspeto muitas vezes esquecido na apresentação de uma defesa do Cristianismo baseado em evidências ( apologética ). Mas, a confiança baseada em informação tem uma aparência diferente da fé cega. Eu consigo ver a diferença quando viajo por todo o país. Quando as nossas perguntas são respondidas e as evidências são claras, começamos a viver de uma forma diferente. Quando estamos confiantes que os Evangelhos são uma precisa descrição -no que dz respeito às evidências de que dispomos- da história da humanidade, somos muito mais propensos a compartilhar a nossa confiança no Evangelho da Salvação.

J. Warner Wallace é um detetive de casos de homicído arquivados, defensor do Cristianismo, e autor de Cold-Case Christianity e ALIVE

——————————————

Bom é que todos os amigos leitores possam analisar de forma coerente as reivindicações do Cristianismo e só depois escolher se querem aceitar a mensagem do Evangelho. Depois, não antes. A eternidade é muito tempo para se estar errado!

 Facebooktwittermail

« Older Entries